Com presença do coronavírus em 100% do esgoto, BH pode ter 50 mil contaminados

O sexto boletim de Acompanhamento do projeto Monitoramento Covid Esgotos, divulgado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) na sexta-feira, 19 de junho, indicou que 100% das amostras da bacia do Arrudas coletadas em Belo Horizonte e Contagem testaram positivo para a presença do vírus SARS-Cov-2, o novo coronavírus. A partir das coletas realizadas entre os dias 8 e 12 de junho e com base em cálculos estatísticos, o projeto estima que mais de 50 mil pessoas sejam portadoras do vírus na capital, número que chega a cerca de 17 vezes mais do que os registros oficiais divulgados pela Prefeitura Municipal de Belo Horizonte (PBH).

Cabe destacar, que os números da PBH apontam para os casos diagnosticados, enquanto as estimativas do projeto indicam todas as contaminações existentes na capital, inclusive as não detectadas. O projeto é coordenado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e executado pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Estações de Tratamento de Esgotos Sustentáveis (INCT) e pela Agência Nacional de Águas (ANA), contando com a parceria da Copasa, do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) e da Secretaria de Saúde de Minas Gerais.

Subsídios

O grupo que conduz o projeto teve acesso a pesquisas internacionais que atestaram a presença do coronavírus nas fezes de pessoas que testaram positivo para a Covid-19. Porém, de acordo com o professor Carlos Chernicharo, coordenador do INCT, não há evidências da transmissão do vírus por meio das fezes.

Contudo, o mapeamento dos esgotos pode indicar, por exemplo, áreas de maior incidência da transmissão. “Conhecer a ocorrência do coronavírus dará subsídios à adoção de medidas de relaxamento consciente do isolamento social e ainda pode gerar avisos sobre os riscos de aumento de incidência da Covid-19 de forma regionalizada, embasando a tomada de decisões por parte dos gestores públicos”, diz Chernicharo.

Mais que o dobro em uma semana

A estimativa de infecção chegou a 11,7% da população atendida por uma das sub-bacias de esgotamento analisadas, em um dos pontos de coleta. Na semana anterior — 1º a 5 de junho —, dados do mesmo ponto possibilitavam estimar que 6,9% da população atendida estaria infectada pelo novo coronavírus.

Na oitava semana de pesquisa, estimava-se que havia mais de 20 mil pessoas infectadas. A quantidade de pessoas estimadas no final da nona semana — mais de 50 mil — equivale a aproximadamente 2,5% de toda a população interligada aos sistemas de esgotamento e tratamento das bacias do Arrudas e do Onça.

Segundo o boletim, em duas sub-bacias de esgotamento localizadas na bacia do Arrudas e em cinco localizadas na bacia do Onça, foram registrados, na semana passada, os maiores percentuais estimados de população infectada, que variaram nessas sub-bacias entre 1,9% e 11,7%. Nesta semana, mais da metade das sub-bacias de esgotamento situadas na bacia do Onça apresentaram percentuais de população infectada acima de 3%.

O projeto abrange 24 pontos de amostragem nos municípios de Belo Horizonte de Contagem, mas o boletim divulgado considera em maior profundidade resultados de 15 pontos em sub-bacias mais representativas das diferentes regiões da área pesquisada.

Clique aqui para acessar a íntegra do documento.

Fonte: UFMG