Desinformação nos mantém a 100 segundos do fim do mundo. Mas a reação ainda é possível!

Continuamos a 100 segundos do fim do mundo. Essa conclusão veio dos responsáveis pelo Boletim dos Cientistas Atômicos — entre os quais estão 13 ganhadores do Prêmio Nobel — que, no último dia 27, mantiveram inalteradas as posições dos ponteiros do Relógio do Juízo Final ajustadas há um ano.

Em certa medida, podemos pensar positivamente. Afinal, mesmo depois de um ano tão difícil quanto foi 2020, os ponteiros não foram adiantados para ainda mais perto do apocalipse e acontecimentos recentes permitem algum otimismo. Contudo, os cientistas destacam que, em nenhuma época, desde que o tal relógio foi criado, os ponteiros estiveram tão próximos da tão temida “meia-noite”.

Robert Rosner e Suzet McKinney, membros do Boletim do Conselho de Ciência e Segurança dos Cientistas Atômicos, apresentam a configuração para 2021 do Relógio do Juízo Final: ainda faltam 100 segundos para a meia-noite. (Foto: Boletim dos Cientistas Atômicos / Thomas Gaulkin)
A ideia do Relógio

A ideia de criar um mecanismo que medisse o risco de uma catástrofe com proporções globais e potencial para extinguir a humanidade e o próprio planeta surgiu em 1945, de um grupo de cientistas formado por ninguém menos do que Albert Einstein e pelos desenvolvedores do Projeto Manhattan, criador das primeiras bombas atômicas. Em dezembro daquele ano, essa turma de peso fundou o Boletim de Cientistas Atômicos, que, dois anos mais tarde, instituiria o Relógio do Juízo Final.

Para criar uma simbologia de fácil interpretação, capaz de despertar a atenção mundial em torno das ameaças que a humanidade e o planeta passaram a sofrer desde o surgimento das armas nucleares, os cientistas recorreram à ideia corriqueira de um relógio, que, no caso, transmite duas mensagens. Por um lado, a meia-noite representa nada mais nada menos do que o fim da humanidade e talvez até da Terra. Por outro, numa analogia direta com aquela contagem regressiva que antecede o lançamento de uma bomba atômica, quanto mais ameaçados estamos, mais próximos os ponteiros do fatídico ponto.

Com o passar do tempo, o Relógio do Juízo Final passou a ser reconhecido mundialmente como um indicador da vulnerabilidade da Terra e dos seres humanos diante das armas nucleares, das mudanças climáticas e de outras implicações tecnológicas. Se não foi suficiente para adiantar os ponteiros, a atual presidente do Boletim dos Cientistas Atômicos, Rachel Bronson, considera que a pandemia da Covid-19 manteve o risco na mesma posição iminente em que estava há um ano. “Como um alerta histórico, uma ilustração viva de que os governos nacionais e as organizações internacionais estão despreparados para administrar as ameaças de armas nucleares e as mudanças climáticas, que realmente podem colocar fim à civilização”, disse Rachel durante a divulgação do resultado de 2020.

Em 2020, mentir online literalmente matou

O grupo de cientistas que decide os ajustes na contagem do Relógio do Juízo Final concluiu que, junto às mudanças climáticas e à ameaça nuclear, a desinformação que se espalhou pelo mundo no ano passado contribuiu decisivamente para que os ponteiros se mantivessem nas mesmas posições ameaçadoras às quais chegaram ao longo de 2019. Porém, ainda que diante da iminente tragédia, o Boletim dos Cientistas Atômicos conseguiu notar algum progresso em acontecimentos mais recentes que afetam a humanidade como um todo.

A desinformação contribuiu para que o Relógio do Juízo Final permanecesse na pior posição em que já esteve desde que foi criado (Foto: Freepik)

“Em meio à escuridão, vemos alguns desenvolvimentos positivos. A eleição de um presidente dos Estados Unidos que reconhece as mudanças climáticas como uma ameaça profunda e que apoia a cooperação internacional e as políticas baseadas na ciência coloca o mundo em uma posição melhor para enfrentar os problemas globais. Por exemplo, os Estados Unidos já anunciaram que estão se reintegrando ao Acordo de Paris sobre mudança climática e o governo Biden ofereceu estender o novo acordo de controle de armas START com a Rússia por mais cinco anos”, diz textualmente o Boletim.

Todavia, de acordo com os cientistas, este progresso ainda não foi suficiente par tornar o mundo mais seguro. “Mas, eles são positivos e pesam contra os profundos perigos da decadência institucional, negação da ciência, posturas nucleares agressivas e campanhas de desinformação discutidas em nossa declaração de 2020. Os membros do Conselho de Ciência e Segurança, portanto, definiram o Relógio do Juízo Final em 100 segundos para meia-noite, o mais próximo que já esteve do apocalipse do fim da civilização, na mesma posição que definimos em 2020”, declararam os cientistas.

O alerta dos 100 segundos

Considerando profundamente lamentável que a resposta global à pandemia no ano passado tenha validado preocupações anteriores com relação à segurança sanitária mundial, o grupo de cientistas manteve a crença na capacidade dos seres humanos para gerenciarem os perigos que as tecnologias modernas representam. “Mas, se a humanidade deseja evitar uma catástrofe existencial – que ofuscaria qualquer coisa que já tenha visto – os líderes nacionais devem fazer um trabalho muito melhor no combate à desinformação, dando atenção à ciência e cooperando para diminuir os riscos globais. Cidadãos em todo o mundo podem e devem organizar e exigir — por meio de protestos públicos, nas urnas e de outras formas criativas — que seus governos reordenem suas prioridades e cooperem nacional e internacionalmente para reduzir os riscos de guerra nuclear, de mudanças climáticas e de outros fatores globais desastrosos, incluindo doenças pandêmicas”, recomenda o Boletim.

Por fim, os cientistas fizeram um apelo para que a humanidade, e seus governantes, adotem as medidas indispensáveis para que seja evitado o pior. “Tendo já matado mais de dois milhões de seres humanos, a Covid-19 é uma chamada de despertar global inconfundível. A mensagem é simples e assustadora: da próxima vez pode ser muito pior. Dada a experiência da pandemia, ninguém pode dizer com razão que não foi avisado. Faltam 100 segundos para a meia-noite, a situação mais perigosa que a humanidade já enfrentou. É hora de todos tomarem as medidas necessárias para – literalmente – salvar o mundo”, concluíram os cientistas.

 


Colabore com a produção do Comunidade Ativa fazendo uma doação com qualquer valor.
Pelo Pix, use a chave casalbertorocha@gmail.com ou clique no botão abaixo para contribuir usando cartão ou boleto.


 

Uma dica

Para mais informações sobre os temas abordados nessa matéria, acesse os links disponíveis ao longo do texto. Eles remetem às fontes utilizadas aqui. 

Uma dica: os artigos fora da página do Comunidade Ativa que não estiverem em português podem ser traduzidos automaticamente pelo navegador pelo seu navegador. Pra isso, basta clicar com o botão direito em qualquer ponto do texto a ser traduzido e escolher a opção “Traduzir para o português”.