Cinco informações importantes sobre as relações dos gatos e dos cães com a Covid-19

Muito já foi descoberto, mas há ainda muito mais a descobrir sobre o Sars-CoV2 -2 — o vírus causador da Covid-19 — e sobre suas mutações. Felizmente, a ciência tem avançado a passos largos nas pesquisas, identificando uma série de fatores relacionados a doença.

Um deles, que é de grande interesse no controle da pandemia, diz respeito à possibilidade de os animais de estimação — principalmente cães e gatos — serem infectados pelo vírus. É preciso saber se eles adoecem e, se adoecem, devemos entender o nível de gravidade que a Covid pode atingir nos pets. Além disso, também há a grande questão: os bichos podem transmitir o vírus para humanos?

Já existem algumas respostas para essas dúvidas. Selecionamos as cinco mais importantes. Confira!

continua depois do anúncio

1. Vacina contra coronavírus não protege do Sars-CoV-2

Muitos tutores já se deram conta de que, anualmente, seus pets são vacinados contra algum determinado tipo de coronavírus. Com isso, há quem seja levado a crer que a tal vacina teria o poder de proteger o animal do Sars-Cov-2, o que não é verdade.

A vacina contra o coronavírus que os pets recebem nada tem a ver com a Covid-19 (Foto: Freepik)

Antes de tudo, devemos entender que o termo “coronavírus” diz respeito a uma ampla família de vírus da qual o causador da Covid-19 faz parte. Há membros dessa família que atingem especificamente os animais.

O coronavírus que afeta cães, por exemplo, não é o mesmo que infecta gatos. Sendo assim, há uma vacina específica contra a coronavirose canina e outra contra o tipo de coronavírus que afeta gatos e nenhuma das duas tem qualquer conexão com o novo coronavírus.

2. Seu pet pode pegar o novo coronavírus

Infelizmente, as pesquisas realizadas até agora dizem que sim. Mas, há diferenças entre os danos que o novo coronavírus pode causar em cães com relação ao provocados sobre gatos.

Os estudos indicam que gatos são mais sensíveis ao Sars-CoV-2 do que cães — eles podem adoecer e até morrer se contraírem a Covid-19. Além disso, há evidências que apontam que os felinos podem transmitir o vírus pelo ar para outros felinos, o que não aconteceria entre cães.

3. A possibilidade de um pet transmitir a Covid para um humano é baixa

Até o momento, as pesquisas indicam que a possiblidade de transmissão do novo coronavírus de um animal para um humano é baixa. Entretanto, como a propagação do vírus pelo mundo se deu entre humanos e como há relatos de cães e de gatos infectados, tudo indica que o contrário não ocorre. Ou seja, humanos podem transmitir a Covid-19 para os pets.

Gatos são mais sensíveis ao novo coronavírus (Foto: Freepik)

As reações a essa transmissão ainda não são totalmente conhecidas, mas, mais uma vez, vale dizer que gatos podem adoecer.

4. Se você contrair a Covid, fique longe do seu pet

O Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês) recomenda que contaminados pelo novo coronavírus se mantenham distantes de seus pets. É preferível que outra pessoas cuidem deles enquanto a doença persistir.

Caso não exista essa possibilidade, os critérios de higienização das mãos devem ser ainda mais rigorosos.

5. A regra do distanciamento também vale para os pets

Se o contágio entre humanos é favorecido pela proximidade entre as pessoas, o mesmo raciocínio é válido para a transmissão do vírus para animais. Isso significa que, por cautela, a proximidade de cães e de gatos com outros pets deva ser evitada, principalmente se eles estiverem acompanhados pelos tutores. Afinal, mesmo que o bicho não esteja infectado ou que não transmita o vírus para humanos, há o risco de o tutor ser portador da Covid-19.

Certamente, nada disso significa que devamos ficar temerosos pela possibilidade de o contágio ocorrer pelo contato com cães ou com gatos de fora de nossas casas. Porém, como a compreensão sobre o assunto está ainda avançando, nenhuma cautela deixa de ser válida, não é verdade?

Ou seja: mantenha a distância dos tutores dos animais, use máscara e tenha atenção constante para a higiene das mãos.